Conheça os pontos altos da aviação executiva

Exibir tudo

Conheça os pontos altos da aviação executiva

Aeronaves executivas fazem parte da rotina de grandes executivos. Quase todas as empresas que integram a lista das 100 maiores do mundo produzida anualmente pela FORBES utilizam aviões e helicópteros próprios ou fretados. E se beneficiam disso – existe uma óbvia correlação entre receitas e lucros e a operação de um transporte aéreo próprio, privativo.

A bordo de verdadeiras obras-primas da tecnologia, empresários e executivos – assim como equipes técnicas, clientes, fornecedores e prestadores de serviço – viajam com mais agilidade, conforto e privacidade para lugares aonde a aviação comercial regular nem sempre chega, podendo descansar ou mesmo trabalhar durante o voo. Como se estivessem em um hotel, isso impacta na produtividade e até na relação com a família.

Em um país como o Brasil, de dimensões continentais e longe dos grandes centros mundiais, o transporte aéreo revela-se uma estratégica ferramenta para companhias com atuação nacional e, sobretudo, internacional. Não por acaso, a frota de aeronaves leves do país supera 15 mil unidades, que conectam mais de 5.500 municípios por meio de quase 2.500 aeródromos, segundo a Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag).

Uma fração importante dessa frota é composta por aeronaves rápidas e luxuosas. São os jatos de negócios, com preços que variam de US$ 1,3 milhão a mais de US$ 65 milhões, e representam mais de 700 aeronaves. Voam no Brasil os mais sofisticados modelos em operação no mundo. Com interiores espaçosos e elegantes, são máquinas que cruzam oceanos em missões de negócios, turismo e lazer.

Elencamos, na galeria de fotos a seguir, alguns modelos que têm como passageiros (ou proprietários) os responsáveis por boa parte do PIB nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *